//
Você está lendo...
Lógica, Retórica

Argumentum Ad Hominem

Estudar falácias deveria estar no programa de estudo de todos os indivíduos que se arrogam o título de cientistas (sejam da área de humanas, biológicas, exatas). Ser cientista significa, dentre outras coisas, ser capaz de argumentar com clareza e de distinguir bons de maus argumentos. O que se vê diariamente, onde quer que haja pessoas discutindo ideias, é o recurso indiscriminado a falácias. A grande maioria das vezes as pessoas, não sabem que estão incorrendo num argumento falacioso, mas usam o argumento por ser persuasivo. Para que haja progresso em qualquer ciência, é necessario que os argumentos sejam logicamente válidos. Um cientista que decida recorrer, conscientemente ou não, a uma falácia com intenção de tornar sua tese mais persuasiva, estará prestando um desfavor à ciência (e possivelmente à propria reputação). É por isso que eu insisto que estudar falácias é importante para todo cientista.

O argumentum ad hominem está entre as falácias mais recorrentes. Este tipo de falácia ocorre quando uma pessoa tenta desacreditar o argumento de seu adversário fazendo uma acusação ao seu caráter, às circunstâncias do argumento, ou mesmo às ações do seu adversário.

Tipicamente, o argumentum ad hominem divide-se em cinco tipos:

ABUSIVO – consiste em insultar o adversário com o fim de invalidar o seu argumento. Na grande maioria das vezes, o caráter da pessoa que enuncia um argumento é irrelevante para o argumento em si. Se o argumento segue uma forma logicamente válida e as premissas são verdadeiras, não interessa se é Hitler ou Gandhi que o enuncia, o argumento é válido e a conclusão é verdadeira.

CIRCUNSTANCIAL – um argumentum ad hominem circunstantiae coloca em cheque a imparcialidade do adversário ao afirmar que este só fez suas alegações em função de circunstâncias especiais, sejam estas interesse pessoal, álcool, medo, etc. Tal como no ad hominem abusivo, não interessa se um argumento foi emitido por interesse próprio ou altruísmo, se por influência do álcool ou sóbrio, o argumento deve ser analisado por si só, sua validade lógica independe do contexto em que foi emitido.

AD FEMINAM – é desmerecer um argumento feito por uma mulher apelando para ataques a características propriamente femininas. Não interessa se a mulher está de TPM ou não, um argumento válido é um argumento válido.

TU QUOQUE – também conhecido por apelo à hipocrisia, consiste em alegar inconsistência entre o argumento emitido e a pessoa que o emitiu. A inconsistência entre o argumento e as ações da pessoa que o emitiu não invalida o argumento em si. Prova que a pessoa é hipócrita, mas não torna falso o seu argumento. Um argumento válido permanece válido apesar da hipocrisia.

CULPA POR ASSOCIAÇÃO – é quando se ataca o adversário associando-o a caracteristicas negativas de outras pessoas ou grupos que recorrem ao mesmo argumento. Assim como nos tipos mencionados acima, um argumento válido permanece válido independente de pessoas ou grupos que estejam associados a ele.

O argumentum ad hominem é uma falácia de irrelevância porque traz para a discussão informações irrelevantes para o argumento em questão. Este é um aspecto importante pois quando o argumento que está sendo criticado envolve confiança em que o enuncia, o argumentum ad hominem não constitui uma falácia. Se o argumento envolve confiança, colocar em cheque a credibilidade que quem o enuncia é relevante.

Ressaltando a importância de se ter conhecimento, enquanto cientistas, dos diversos tipos de falácia, parem e pensem na frequência em que esse tipo de argumento aparece em publicações científicas. Na história aparece muito nas formas “não acreditem no que o autor x ou y disse porque ele é pós-modernista, ou relativista”, ou “ah não, ele diz isso porque é positivista”. Ou “é preciso relativizar o que a pessoa z disse porque ela estava imersa no contexto da Guerra Fria, então não dá pra levar em consideração o que ela disse”. Essas acusações podem nos fazer mais cautelosos em relação ao que as pessoas dizem. Mas o que interessa à ciência não são os cientistas, sim os argumentos e teorias por eles propostos.

FONTES

Sobre Vinicius Gregory

Sou bacharel e licenciado em história pela Universidade de Brasília (UnB). Hoje trabalho na área de vendas. Represento a Oceanic, uma marca de cosméticos produzidos pela Racco, sediada em Curitiba/PR. A Oceanic oferece boa margem de lucro na revenda de seus produtos e ótimos incentivos na recomendação de novos consumidores e revendedores. Para criar sua conta na Oceanic e passar a consumir ou revender os produtos, basta acessar o link: http://escritorio.oceanic.com.br/u/vgregory

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Página no Facebook

Estatísticas do Blog

  • 85,328 Acessos

Quem sou eu


Sou bacharél e licenciado em história pela Universidade de Brasília (UnB). E agora estou cursando o mestrado, também em história, também na UnB. Desenvolvo minhas pesquisas na área de história da América.

%d blogueiros gostam disto: