//
Você está lendo...
A Pesquisa, América no Século XXI, História da América

Identidade e Relações de Poder

Segue o primeiro post sobre a minha monografia. Trata-se de questionar o conflito identitário pelo qual o Chile passa. Mais uma vez, quem quiser ter acesso à monografia, pode fazer o download clicando aqui.

A questão identitária no Chile, a oposição entre uma identidade mapuche e uma identidade chilena, é uma questão de poder.

A história do Chile está marcada pela luta entre os espanhóis e seus descententes chilenos contra as populações nativo-americanas da região. O Chile só obteve o território que tem hoje ao final do século XIX. Entre as décadas de 1530 e de 1880, a região do Chile esteve em permanente conflito, obrigando espanhóis/chilenos e nativo-americanos a recorrer frequentemente a negociações de paz. Até a década de 1880, a população nativo-americana resistiu tenazmente às investidas militares hispano-chilenas, mas após a Guerra do Pacífico foram finalmente subjugadas e incorporadas ao estado chileno. Nas últimas décadas do século XX e agora no início do século XXI, o Conflito Mapuche demonstra que esta luta ainda não chegou a um fim.

Se pegarmos a lei 17.729 (chilena), publicada em 26/09/1972, lemos o seguinte: “Artículo 1.- Se tendrá por indígena, para todos los efectos legales, a la persona que se encuentre en algunos de los seguintes casos.” Não tenho intenção de enumerar estes casos, mas o ponto é: quem é que determina quem é indígena e quem não é? São os chilenos. Independente de quão inclusiva ou exclusiva é a política indigenista chilena, são os chilenos quem determinam quem é mapuche e quem não é.

Quando os chilenos afirmam que os mapuches são chilenos, estão dizendo que devem se submeter às leis chilenas. Quando os mapuches se negam a se reconhecer como chilenos, reivindicam o direito de governar a si mesmos e criar suas próprias leis.

É evidente que é uma questão de poder. A imposição de uma identidade sobre outra. É evidente também que o Conflito Mapuche implica uma questão de estado seríssima, envolvendo um possível separatismo, questões diplomáticas, questões indígenas em outros países além do Chile, etc. Mas é, acima de tudo uma questão de poder. E precisamos ter claro, sempre que nos posicionamos de um ou outro lado, que estamos defendendo ou a submissão ou a liberdade.

Sobre Vinicius Gregory

Sou bacharel e licenciado em história pela Universidade de Brasília (UnB). Hoje trabalho na área de vendas. Represento a Oceanic, uma marca de cosméticos produzidos pela Racco, sediada em Curitiba/PR. A Oceanic oferece boa margem de lucro na revenda de seus produtos e ótimos incentivos na recomendação de novos consumidores e revendedores. Para criar sua conta na Oceanic e passar a consumir ou revender os produtos, basta acessar o link: http://escritorio.oceanic.com.br/u/vgregory

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Página no Facebook

Estatísticas do Blog

  • 85,328 Acessos

Quem sou eu


Sou bacharél e licenciado em história pela Universidade de Brasília (UnB). E agora estou cursando o mestrado, também em história, também na UnB. Desenvolvo minhas pesquisas na área de história da América.

%d blogueiros gostam disto: